Tuesday, 1 May 2007

Depoimento

Escolhi comentar este post de Moita Flores, pelo respeito que tenho pela sua sabedoria nestes casos de "polícia". E, GARANTIDAMENTE, o Prof. Carmona Rodrigues, NÃO É UM CASO DE POLÍCIA. Conheço-o pessoalmente (embora não muito) e, francamente, ACREDITO NESTE HOMEM que os Lisboetas em boa hora escolheram para dirigir a sua Cidade.
De facto, hoje, qualquer cidadão poder ser constituído arguido por "dá cá aquela palha".
Carmona Rodrigues é um ALVO tentador... E não apenas pelos que militam em partidos distintos daquele que decidiu integrar como independente, mas também por "militantes" do próprio PSD que, desta forma, lançam sobre ele o anátema da culpa que eles, sim, tiveram mas não assumiram. Um dia se saberá!
Já foi escrito neste blog, mas pensem um pouco: porque é que Sá Fernandes "sabe" sempre tudo antes dos demais? Seu irmão terá algo a ver com isso? Acho que sim e que toda a "máquina" montada contra Carmona Rodrigues foi posta a "andar" desde o dia da vitória.
Acaso alguém já considerou Sá Fernandes (BE-independente-cidadão em prol dos cidadãos) "arguido" pelos milhões que já custou ao erário da Edilidade de Lisboa e, afinal, a todos nós? Pensem um pouco, é o que peço!
Desejoso está ele porque haja um pequeníssimo acidente que seja no Túnel do Marquês. Seria a sua "coroa de glória"!
Mas, ainda ontem, no país da "segurança" (EUA), também ruíu um viaduto, devido à explosão e incêndio de um camião cisterna. Acabarão os viadutos em terras do "tio Sam"?
E quando eles caem uns sobre os outros, como quando do terramoto de S. Francisco?
Acabaram os viadutos?
Não!
No Túnel do Marquês, basta simplesmente seguir as indicações e limitações de velocidade e, nada acontecerá certamente!
O problema, são os "aceleras" e, depois... ai quem nos acode!
E Helena Lopes da Costa e seus "boys" e "girls"? E Santana Lopes e seus "boys" e "santanetes"? E o próprio Luís Filipe Menezes (tão "amigo" dos dois) que com frequência se desloca à Capital do País, onde vivem e trabalham honestamente os "sulistas, elitistas e liberais"?
Percebo que o ponto de vista do Dr. Luís Marques Mendes está correcto... em princípio!
Mas há - quanto a mim - Arguidos e "arguidos", como ele certamente saberá melhor do que eu.
Tenho confiança na sua decisão e da Dra. Paula Teixeira da Cruz.
Em prol de Portugal, de Lisboa e do próprio Partido Social Democrata.
Prof. Carmona Rodrigues:
EU ACREDITO EM SI!

solista, elitista e liberal

2 comments:

Manuel de Vasconcellos said...

Desde que Carmona foi eleito, dando a vitória ao PSD, que toda a máquina do PS – para quem Lisboa é fundamental, a "joia da Corôa" – planeia a queda do Executivo e a realização de eleições intercalares.
É a mesma estratégia usada contra o Governo PSD de Santana Lopes (Independentemente da sua maior ou menor qualidade, mas apoiado por uma maioria absoluta parlamentar, estável e coesa), que foi afastado em “desgraça”, ante o vociferar unânime de uma informação enviesada e deixou o PS capitalizar o estado de espírito geral, cavalgar a onda e chegar a maioria absoluta.
Numa receita bem sucedida, como numa equipa ganhadora, não se mexe. Por isso, desde a primeira hora, o PS a aplicou contra a maioria municipal em Lisboa.
Mas não o fez abertamente e dando a cara. Com a grande habilidade já aparente na luta para destruir Santana Lopes (onde se encontra claramente a marca da eminência parda do Partido, Jorge Coelho), abdicou do ataque frontal, deixou de lado as suas bancadas na Vereação e na Assembleia Municipal, e enveredou pelo caminho - mais lento mas seguro - da subversão, da promoção da fragilização de Carmona Rodrigues, de o ferir aos poucos, de fazer passar para a informação ataques envenenados, disfarçados de notícias cuidadosamente doseadas, para quase todos os dias aparecer num órgão de informação, um rumor, um boato, uma denúncia, uma suspeita.
Até as fugas de informação, internas e judiciais, foram doseadas a conta gotas, para órgãos de informação alternados. E esses órgãos de informação revezam-se na publicitação da notícia inicial, sendo depois, inevitavelmente, seguidos pelos outros, mantendo o assunto vivo pela procura de comentários, bem como pela actuação dos seus próprios comentaristas.
Acreditem que isto não sucede por acaso, nem é uma acumulação de actos isolados, mas a execução de uma estratégia hábil.
Criado o clima, seguiu-se a utilização do "princípio Marques Mendes para Arguidos)com abate dos mais próximos colaboradores do Presidente, deixando-o isolado. Era o necessário prelúdio para o ataque final, tirando-lhe alternativas, fragilizando-o e levando a opinião pública a acreditar num apodrecimento crescente do mandato Carmona Rodrigues.
Quem não entende isto, não entende nada! Isto não é uma “teoria da conspiração”, criada por um espírito distorcido. Há, sim, uma constatação de factos, uma análise a uma sucessão de acontecimentos, que se desejam apresentar como aparente coincidência, mas sobre os quais se pode estabelecer uma correlação clara, posso mesmo dizer matemática pois, estatisticamente, a probabilidade estatística da sua sequência, do seu teor e da sua distribuição, serem aleatórios, é tão pequena, que a podemos ignorar.
Mais ainda: a estratégia do PS aproveitou, da forma mais hábil possível, duas oportunidades únicas:
A 1ª, a actuação sabotadora, cegamente destrutiva e permanentemente mal intencionada do Bloco de Esquerda e do inenarrável Sá Fernandes. Sobre ele, há um “post” inteiro a colocar…
A 2ª, foi a ingenuidade do PSD, ao colocar tão alta a fasquia da responsabilização individual dos detentores de cargos públicos, especificamente nas autarquias. Marques Mendes deveria ficar-se pela situação de “Acusado”; ao invés de escolher – quem sabe se por confusão entre o significado das palavras, o que é duvidoso, dada a sua formação em Direito – “Arguido”, criou uma situação em que ficou extremamente vulnerável e enfraquecido em toda a estrutura autárquica ligada ao PSD, pois a facilidade com que qualquer pessoa possa ser “arguido” lhe deveria ser familiar. Qualquer cidadão deste país pode ser “Arguido” se houver uma simples denúncia anónima ou uma queixa – veja-se o “post” de Moita Flores.
Hoje, Lisboa, amanhã o Porto, depois Cascais ou Sintra ou Aveiro, todas as autarquias PSD estão vulneráveis e podem ser atingidas nos seus quadros políticos, e é quase certo que o venham a ser, se a experiência de Lisboa funcionar.
É preciso que o PSD e o seu líder, um homem de qualidade superior, mas que neste caso, animado por um espírito moralizador justo, mas mal balizado (bastava ter feito a distinção entre “Arguido” e “Acusado”…) entendam que Partido e Direcção correm sérios riscos de ser injustos para quem já é vítima do adversário comum e abrir um sério precedente que lhes pode custar as próximas autárquicas.

Anonymous said...

Presidente Carmona

O Senhor não é meu Presidente porque sou de Matosinhos. Mas fique. Eu também, ao longe, acredito em si.

JFA